Investir no exterior morando no Brasil: descubra agora como fazer

7 minutos para ler

Afinal de contas, como investir no exterior morando no Brasil? Da forma que percebemos, essa é uma das questões mais recorrentes entre os investidores, que buscam uma maneira inteligente para proteger o seu patrimônio.

Sendo assim, elaboramos este post que tirará as suas dúvidas sobre o tema. A nossa intenção é apresentar a possibilidade de investir no mercado externo, destacando o que é necessário para concretizar esse objetivo.

Ficou interessado no assunto? Continue a leitura e fique por dentro!

É possível investir no exterior morando no Brasil?

Vamos começar com uma resposta à maior dúvida sobre o tema. Sim, é possível investir no exterior morando no Brasil.

Acima de qualquer outra coisa, nós entendemos bem os motivos que fazem essa curiosidade ser tão grande no investidor brasileiro.

A percepção sobre os acionistas internacionais costumava ser tomada pela ideia de fortunas volumosas, como se apenas os patrimônios multimilionários pudessem acessar as oportunidades que existem no mercado externo. No entanto, isso é apenas uma percepção errada.

Na realidade, investir no exterior é tão possível quanto aqui no Brasil. Basta atender alguns requisitos para comprar os seus ativos nas bolsas internacionais.

Inclusive, é importante bater nessa tecla da simplicidade, frisando que o investimento no mercado externo pode ser tão fácil quanto aplicar no interno.

A melhor forma para entender isso é identificar as semelhanças entre essas alternativas. Pois veja, tanto no Brasil quanto fora, você precisa abrir conta em uma boa corretora, que mantenha a custódia dos seus ativos com responsabilidade e transparência.

Por que considerar essa possibilidade?

Para que não restem dúvidas a respeito do tema, compilamos alguns dos principais motivos que justificam o investimento lá fora. Acompanhe, nas subseções a seguir.

Diversificação

Uma tática que pode ser interessante é a diversificação de sua carteira, que pode conciliar o potencial de crescimento com a segurança intersetorial. Ou seja, uma estratégia que pode ser interessante é não concentrar seus recursos em um único setor econômico, ativo ou estratégia.

Lembre-se de que, embora a diversificação possa ajudar a espalhar riscos, ela não garante lucro nem protege contra perdas. Sempre existe o potencial de perder dinheiro quando você investe em valores mobiliários ou outros produtos financeiros. Os investidores devem considerar cuidadosamente seus objetivos e riscos de investimento antes de investir. O preço de um determinado título pode aumentar ou diminuir com base nas condições do mercado e os clientes podem perder dinheiro, incluindo seu investimento original. 

Por esse motivo, investir fora do Brasil é uma oportunidade de diversificação. Isso se dá porque os aportes no exterior compilam inúmeras possibilidades estratégicas para a composição do seu portfólio, tais como:

  • evitar possíveis riscos e turbulências de economias emergentes, como é o caso da brasileira;
  • investir em empresas diretamente conectadas ao panorama futuro da sociedade e da tecnologia;
  • aumentar suas posições em uma moeda que possa ser mais sólida e que pode servir de baliza para a economia internacional, tal como o dólar.

Estratégia

Acima de qualquer coisa, vale frisar que aqui também podem existir boas oportunidades de investimento.

Convém ressaltar, que nosso país possui instabilidades econômicas. Um exemplo clássico disso é acompanhar as constantes revisões dos institutos de inteligência econômica.

Considerando a última atualização da Standard & Poor’s, realizada em 6 de abril deste ano, o Brasil acaba de sofrer um downgrade em sua avaliação perspectiva de saúde econômica.

O rating saiu de positivo para estável, sobretudo, considerando a disposição econômica do país lidar com os efeitos provocados pela pandemia de Covid-19.

Exclusividade

Por último e talvez mais importante, o acesso a ativos do mercado internacional. O Brasil não é um grande player global quando o assunto é alavancagem industrial e tecnológica. Por conta disso, as oportunidades para investir existem, mas não são tão diversificadas.

Sendo assim, aplicar no exterior representa uma possibilidade de participar do crescimento de empresas cada vez mais ativas na modelação do futuro.

Como investir no exterior morando no Brasil?

A um primeiro instante, investir no exterior é algo que deve ser inicializado pela abertura de conta em uma corretora, que deve ser sólida, com reputação, experiência, simplicidade e autorização para intermediar e custodiar ativos. É nesse momento que nos apresentamos como uma ponte para a internacionalização dos seus investimentos.

Afinal, a Avenue possui histórico de inovação e segurança, entregando aos novos entrantes brasileiros a melhor experiência possível do mercado internacional, com tecnologia, transparência e agilidade.

Feito isso, cabe ao investidor analisar as opções que estão disponíveis para que possa explorar esse novo mercado. Acompanhe as subseções a seguir e veja as opções à disposição do investidor.

Ações

Em poucas palavras, ações são os papéis de participação nas empresas em que você deseja aplicar, da mesma forma que acontece no Brasil. Também são conhecidas pelo nome de stocks, as ações de bolsas norte-americanas.

Vale ressaltar que, ao adquirir uma ação, você se torna acionista de uma companhia, o que implica em correr os riscos de o negócio sofrer desvalorização no futuro, assim como a possibilidade de obter lucros. Além disso, com a Avenue, você consegue comprar as ações inteiras ou fracionadas.

ADR

A sigla abrevia o termo American Depositary Receipt, livremente traduzido por Recibo Depositário Americano.

Os ADRs são vendidos e comprados nos mercados americanos por meio de bancos ou corretoras. A diferença entre ADRs e os títulos regulares emitidos nos EUA é que eles são lastreados a empresas estrangeiras.

Exemplos interessantes de empresas que utilizam dessa modalidade para receber aportes dos investidores nas bolsas localizadas nos Estados Unidos são Ferrari, Manchester United e Alibaba.

ETF

ETF significa Exchange Traded Funds. Os ETFs são fundos negociados no mercado secundário, e podem seguir um índice ou ter um tema. Podem se expor a empresas, títulos de dívidas, moedas e muito mais.

No caso das ETFs, existe, por exemplo, o S&P 500, que compila as 500 principais ações negociadas na NASDAQ e na NYSE – as duas principais bolsas americanas. Vale ressaltar que, apesar de muito famoso, existem outras centenas de ETFs disponíveis no mercado americano, possibilitando, inclusive, investimentos de acordo com o tema de interesse.

REIT

A sigla REIT abrevia o termo Real Estate Investment Trust, sendo uma modalidade que lembra os fundos imobiliários brasileiros (FII). Em poucas palavras, os REITs possibilitam investir em ativos que promovam rendas recorrentes sobre a utilização de unidades imobiliárias.

Saber como investir no exterior morando no Brasil não é apenas uma estratégia que pode impactar no crescimento do seu capital, mas, sobretudo, pode ser uma tática de proteção patrimonial.

No fim das contas, a diversificação, a inteligência e o planejamento farão toda a diferença na preservação e aumento do seu portfólio. Portanto, aproveite o momento para conhecer mais sobre nós, visitando nossa página institucional e entendendo os motivos para investir com a Avenue.

Posts relacionados

Deixe um comentário