O que devo considerar para abrir uma conta em uma corretora americana?

5 minutos para ler

Embora o mercado brasileiro tenha muitas alternativas de investimentos, as instabilidades da nossa economia ainda podem gerar preocupação. Por isso, abrir conta em uma corretora americana é uma hipótese a ser considerada, dadas as características do mercado financeiro estadunidense.

Um exemplo é o que vem acontecendo com a B3, a bolsa de valores de São Paulo, em virtude da pandemia de COVID-19. Única em operação no Brasil, em março, ela registrou a maior de todas as quedas entre as principais bolsas do mundo, gerando prejuízos para empresas, acionistas e investidores.

Convém frisar que o mercado americano também não está imune aos efeitos da crise global. No entanto, nele os impactos de momentos assim para quem investe podem não ser tão extremos. Afinal, riscos sempre existirão quando se trata de comprar e vender ações.

Acompanhe, neste conteúdo, o que você precisa considerar antes de mudar de ares e aplicar seu dinheiro em uma conta sediada na maior economia do planeta.

Flight to Quality: entenda a importância

O termo “Flight to Quality”, ou fuga para a qualidade, faz referência à aplicação de capitais em mercados com provável solidez. É o que vem acontecendo neste exato momento, em que milhares de investidores brasileiros e de outros países em buscam melhores possibilidades de investimentos em mercados maiores, como o norte-americano.

De fato, não é apenas a mais recente recessão causada pelo Coronavírus que pode afetar a confiança no mercado doméstico. Temas políticos como reformas na pauta do Congresso e a própria mudança de orientação em relação a antigos parceiros comerciais podem ser fatores que geram instabilidade, insegurança jurídica e muitas incertezas.

Por esses motivos, o Flight to Quality é considerado uma das respostas quando fatores macroeconômicos podem colocar investimentos a perder. Nesse movimento, migrar para o mercado dos Estados Unidos pode ser uma alternativa a ser considerada.

Mercado norte-americano

A preferência pelas instituições financeiras norte-americanas como uma das primeiras opções na fuga para a qualidade é grande ao redor do mundo, devido ao tamanho do mercado estadunidense, que é disparado o maior do mundo.

A título de comparação, a China, o segundo maior, é cinco vezes menor quando o critério adotado é o volume de dinheiro movimentado. Enquanto os Estados Unidos, em 2018, representava cerca de 45% da fatia de mercado, a China representava e o Brasil apenas pouco mais de 1%.

Se fizermos a comparação com o Brasil, a diferença é ainda maior. Afinal, somados todos os valores movimentados pela B3, constata-se que o nosso mercado é cerca de 33 vezes menor do que o dos Estados Unidos. Poderíamos destacar outros números, mas, apenas por estes que acabamos de expor, fica claro que investir no país por meio de uma corretora como a Avenue pode opção a se considerar.

Escolha da corretora americana: saiba o que deve ser avaliado

Por outro lado, a solidez da economia norte-americana por si só não isenta o investidor de ter que averiguar com cuidado onde vai aplicar seu dinheiro. Fraudes, taxas elevadas e instituições não idôneas existem em qualquer lugar do mundo, valendo também para a maior potência econômica do mundo.

Além disso, não se pode jamais ignorar que as regras, leis e critérios adotados pelas corretoras americanas serão sempre diferentes dos aplicáveis no Brasil. Não menos importante, trata-se de dar início a uma operação financeira remota, na qual o desconhecimento das normas pode vir a custar muito caro.

Isto posto, veja na sequência o que você precisa avaliar antes de ingressar com uma solicitação junto a uma corretora americana.

Aceitação de não-residentes

O primeiro critério a ser considerado é se a corretora em questão aceita pessoas que não têm domicílio fiscal nos Estados Unidos. Por isso, verifique, nos prospectos on-line fornecidos pelas corretoras o que é dito a respeito de “non-residents”.

Credibilidade no mercado

Como você viu logo no início do tópico, instituições não idôneas existem em toda a parte. Portanto, procure se certificar de que a corretora tem registro e autorização dos órgãos competentes.

No caso dos Estados Unidos, eles são a Securities and Exchange Commission (SEC), a Financial Industry Regulatory Authority (FINRA) e o Securities Investor Protection Corporation (SIPC).

Avenue Securities: sua porta de entrada para o mercado dos Estados Unidos

Nada o impede de tomar a iniciativa e abrir uma conta para operar no mercado americano, quem mora no Brasil já pode optar pelo Flight to Quality com objetivo de mitigar a exposição aos riscos.

É isso que a Avenue Securities tem a oferecer aos seus clientes brasileiros que pretendem explorar as inúmeras possibilidades do mercado financeiro estadunidense. Operações financeiras simples e rápidas, que contam também com informações no nosso idioma e o suporte que você precisa.

Diante da instabilidade econômica do Brasil, abrir conta em corretora americana pode ser uma alternativa a ser considerada. Nos Estados Unidos, existem mais opções de ativos, além de ser o maior mercado financeiro do mundo.

Faça contato conosco, queremos ser seus parceiros de confiança nessa jornada de crescimento!

Posts relacionados

Deixe um comentário